Notícias

Convocatorias para envío de propuestas para participar de las revistas Periplos (Brasil) y Academia y crítica (Chile).

Ambas publicaciones tendrán como temática central "Las migraciones en la región", y se encuentran co-organizadas por los Grupos de Trabajo CLACSO Migración Sur Sur y Educación popular y pedagogías críticas.

Hasta el 20 de febrero de 2018 / REVISTA DE PESQUISA SOBRE MIGRAÇÕES (Brasil)

Hasta el 30 de abril de 2018 / REVISTA ACADEMIA Y CRÍTICA (Chile)

Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO)

Call for papers for the Migration Conference 2018 Lisbon 

The Migration Conference is one of the largest and most prestigious international events for migration scholars, practitioners and policy makers.

Attracting world class researchers from over 60 countries worldwide, the conference provides a friendly, supportive environment to receive feedback, share ideas, find inspiration and network.

The TMC2018 Conference will take place from the 26th - 28th June at the University of Lisbon, in the centre of Portugal's capital.

Paper Submission

Abstract and panel submissions for TMC2018 is open and the deadline for submission is 31st January 2018.

We invite submissions from a wide range of disciplines, academics, students, researchers, journalists, volunteers, government workers, third sector representatives.

For more information please visit the conference website

Leia o artigo do presidente do #IBGE, Roberto Olinto Ramos, publicado ontem na seção "Opinião" do jornal O Globo:
 
A reprodução da metodologia se torna o objetivo central, deixando em segundo plano a análise econômica. A necessidade de acertar traz miopia aos analistas 
 
POR OLINTO RAMOS
 
Já há algum tempo, o que nos é apresentado pela mídia e pelas redes sociais está cada vez mais permeado por números e mais números, com gráficos coloridos. Os dados quantitativos assumiram protagonismo absoluto nas informações apresentadas à sociedade.
Índices, taxas, percentuais, valores, pesquisas de todo tipo são divulgados como se a linguagem fosse compreendida por todos e todo o seu simbolismo estivesse introjetado na população. Pior: como se os números fossem representação absolutamente precisa da realidade. Apresenta-se a “verdade incontestável” dos números.
 
Assim, hoje teríamos 208 milhões de data analysts no país. Claro que parte deles, simplesmente, de forma cética e incontestável, não acredita nos números e está segura de que foi manipulada, pois não condizem com sua percepção. A invasão quantitativa gerou dois tipos: aqueles que creem religiosamente nos números e os que descreem religiosamente deles. As pesquisas eleitorais são divulgadas com o chamado intervalo de confiança, ou seja, dada determinada percentagem de eleitores que votarão em Fulano, temos variações de x% para cima ou para baixo. Perfeito, temos o “intervalo de confiança com probabilidade de erro de 5%”.
 
Antes, eram divulgadas só as taxas. Agora, adicionou-se à informação o intervalo de confiança. A pergunta que resta é: isto efetivamente tornou a informação mais precisa ou só se incluiu mais números para dar-lhe aparência de maior qualidade e aumentar sua “verdade”? Neste caso específico, os resultados recentes indicam que a parte cética da população tem razão.
Na véspera da divulgação de uma informação de conjuntura econômica, jornais apresentam tabelas com os “prognósticos” das consultorias especializadas. Uma espécie de “corrida de números”. A importância de acertar é cada vez maior para estabelecer a “sapiência” das consultorias na previsão. Ou seja, a reprodução da metodologia se torna o objetivo central, deixando em segundo plano a análise econômica. A necessidade de acertar traz miopia aos analistas. Perdem-se outros olhares, mais qualitativos, mais reflexivos. É preciso procurar as causas, nos afastando um pouco dos modelos numéricos, que viraram verdadeiras pitonisas. Por favor, encarem este comentário só como crítica aos exageros. Assim como beber sem moderação, modelar em excesso pode fazer mal.
 
Há que se refletir sobre a importância de estimarmos uma variação no PIB. As previsões variam de -0,2% para +0,2%? Ora, ambas são ruins. Como de 3% para 4%, ambas são boas; de 7% para 10%, ambas excelentes. A obsessão pelo detalhe muda as decisões que tomaríamos?
 
Em reportagem sobre a indústria alimentícia, em 16 de setembro, o “New York Times” citou estudo da Universidade de Washington sobre obesidade infantil. Os dados mostravam que, de 1980 a 2015, o percentual de crianças obesas no Brasil subira de 2,4% para 9%, ou seja: crescimento de 270%. Mas, se olharmos os dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE para 2008/09, temos prevalência de 14,3% de obesos para a faixa de 5 a 9 anos. O que isso significa? Terá havido queda na obesidade infantil, de 2008/2009 para 2015? Ou houve redução, com aumento posterior? Ou as pesquisas são incomparáveis? As respostas não são simples. Se olharmos apenas os números, nos afogamos.
Se isso ocorre com as variáveis de estudos claramente delimitados, imaginemos os riscos no caótico oceano de dados obtidos a partir das redes sociais — o popular Big Data — a mais nova “fonte da verdade”. A informação baseada em números passou a permear nossas vidas, mas isso pode nos tornar míopes em relação ao todo. É preciso usar os números respeitando seus limites, sem se deixar escravizar pela visão numérica. 

A Mediações – Revista de Ciências Sociais – convida a comunidade acadêmica a submeter resenhas das obras abaixo relacionadas com o objetivo de compor os números que serão lançados em 2018.

O prazo de submissão é 15 de abril de 2018.

Espera-se receber textos de até 7 páginas, respeitando-se as demais Diretrizes para Autores que se encontram no site do periódico 

A avaliação e a decisão sobre a publicação estarão sob a responsabilidade da Comissão Editorial.

A obra em destaque é de especial interesse para esse grupo.

BEAUCHEMIN, Cris, HAMEL, Cristelle; SIMONS, Patrick (Dir.). Trajectoires et origines – Enquête sur la diversité des populations en France. Paris: INED, 2015.
BROWN, Wendy. Undoing the demos: Neoliberalism's stealth revolution. MIT Press. 2015.
FREEDEN, Michael. The Political Theory of Political Thinking: The Anatomy of a Practice, Oxford University Press, 2013.
JOSEPH, Tiffany D. Race on the Move: Brazilian Migrants and the Global Reconstruction of Race. Palo Alto: Stanford University Press, 2015.
STENGERS, Isabele. Une autre science est possible: manifeste pour un rallentissement des sciences. Paris : Éd. Empêcheurs de penser en rond/La Découverte, 2013.
TURNER, Terence. The Fire of the Jaguar. Chicago: HAU/University of Chicago Press, 2017.

Please publish modules in offcanvas position.