Notícias

Abertas as inscrições para o curso de verão: O refúgio em uma perspectiva global

O curso de verão do Centro de Estudos em Política e Direito de Imigração e Refúgio da Fundação Casa de Rui Barbosa (CEDPIR) é um programa de estudos intensivo e rigoroso baseado em diversas apresentações, debates e estudos de caso sobre a temática do refúgio. A experiência promovida é de um fórum de imersão para troca de ideias, construção de networking, contato com novas abordagens políticas e de desenvolvimento do assunto.

As aulas serão de 11 a 15 de dezembro de 2017 (de 2ª a 6ª feira), das 9 às 18 horas, no auditório da Fundação Casa de Rui Barbosa (Rua São Clemente, 134, Botafogo – Rio de Janeiro/RJ). 

A carga horária total é de 40 horas.

Serão concedidos certificados aos alunos que comparecerem a 75% das aulas.  A participação é gratuita.

Público-alvo

Pesquisadores e pós-graduados interessados na temática ou que trabalhem direta ou indiretamente com o assunto no setor público ou privado. Alunos de graduação podem excepcionalmente se inscrever caso possuam relevante interesse justificado na área. É recomendado que os participantes possuam conhecimento intermediário da língua inglesa.

Inscrições e informações: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Mais informações: Jacqueline Lobo (21) 99912-3420

Date: 7-9 June 2018

Local: Aarhus, Denmark

Recent years have witnessed the increasing scale, reach and pervasiveness of surveillance. It now operates on a scale ranging from the genome to the universe. Across the spheres of private and public life and the spaces between, surveillance mediates, documents and facilitates a wide range of activities. At the same time, surveillance practices now reach beyond the corporal and temporal boundaries of life itself, no longer resting on the individual as subject, but instead falling both within and beyond it. This emphasises the porosity of such categories. Pervasive surveillance produces new articulations of power and animates flows of people, information and capital, harbouring potential for myriad opportunities as well as harms. With this growth of surveillance comes increasing complexity and paradox.

According to a new working paper, 1800s slavery explains approximately 20% of income inequality in Brazil today. While the direction of the impact is not surprising, I'm impressed by its magnitude. I wonder how much investment in cash transfer programs would be necessary to achieve an effect of similar magnitude. Thanks John B. Holbein‏ for pointing to this study on Twitter.

Fujiwara, T., Laudares, H., & Caicedo, F. V. (2017). Tordesillas, Slavery and the Origins of Brazilian Inequality.

From the abstract:
"...To deal with the endogeneity of slavery placing, we use a spatial Regression Discontinuity framework, exploiting the colonial boundaries between the Portuguese and Spanish empires in current day Brazil. We find that the number of slaves in 1872 is discontinuously higher in the Portuguese side of the border, consistent with this power’s comparative advantage in this trade. We then show how this differential slave rate has led to higher income inequality of 0.103 points (Gini coefficient), approximately 20% of average income inequality in Brazil. To further investigate the role of slavery on economic development, we use the division of the Portuguese colony into Donatary Captancies. We find that a 1% increase in slavery in 1872 leads to an increase in inequality of 0.112. Aside from the general effect on inequality, we find that more slave intensive areas have higher income and educational racial imbalances and worse public institutions today"
 
Fonte: site Urban Demographics

Este número da Aletria pretende acolher trabalhos que investiguem formas várias de errância humana rumo à sobrevivência. Caminhar, ocupar, refugiar, embarcar, migrar, exilar, fugir são alguns dos trajetos cuja tarefa de reflexão e de questionamento a literatura e as artes há muito tomaram para si.

As noções de fronteira, de identidade, de nostalgia colonial, nas primeiras décadas do século XXI vêm colocando em xeque demarcações binárias, tais como dentro e fora; público e privado; inclusão e exclusão; bem e mau; nacional e o estrangeiro; poder soberano e vida nua, entre outras postulações.

A chamada propõe, assim, reunir reflexões teóricas, estudos críticos e resenhas que tentam alargar conceitualmente novas formas de vida numa cartografia diversa da elaborada pela Idade Moderna.

Organização: Sabrina Sedlmayer (UFMG) e Elisa Amorim (UFMG).

Data limite para submissões: 31 de janeiro de 2018.

Matéria completa

Fonte: site da Revista de Estudos de Literatura - Aletria

Please publish modules in offcanvas position.