Chamada para número temático (Rebep)

Demografia, Saúde e Condições de Vida dos Povos Indígenas: Perspectivas Contemporâneas

A Revista Brasileira de Estudos de População (Rebep) da Associação Brasileira de Estudos Populacionais (Abep) abre chamada para submissões com vistas à publicação de um número temático sobre o tema “Demografia, Saúde e Condições de Vida dos Povos Indígenas: Perspectivas Contemporâneas”. A iniciativa é uma parceria do Comitê Editorial da revista com o Grupo de Trabalho (GT) Demografia dos Povos Indígenas, da Abep.

 

No contexto das Américas, o Brasil apresenta um perfil particular no tocante à presença indígena: há entre duas e três centenas de diferentes etnias, no que é uma das maiores sociodiversidades do continente e do mundo, ao mesmo tempo em que a proporção de indígenas na população total é uma das mais baixas (menos de 1%). No Brasil, assim como em outros países, como é o caso daqueles localizados na América Latina, um importante desafio é gerar estatísticas com representatividade nacional que permitam caracterizar a situação sociodemográfica dos povos indígenas, o que é de fundamental importância para fins de planejamento, implantação e avaliação de políticas públicas nas mais diversas áreas.

Os estudos de demografia dos povos indígenas em geral se desenvolvem na interface com a antropologia, resultando na chamada "demografia antropológica". Pesquisas sobre o comportamento demográfico das populações indígenas são ainda pouco frequentes, embora se tenha observado, a partir dos anos 1980, o aumento de interesse de demógrafos e antropólogos por esse campo de estudo, tanto no Brasil como em vários outros países latino-americanos. As principais dificuldades para a realização desse tipo de estudo estão centradas na obtenção das informações necessárias para o cálculo de indicadores demográficos e na fragilidade destes indicadores, uma vez que as populações indígenas tendem a apresentar reduzido volume.

Mais recentemente, sobretudo ao longo das duas últimas décadas, foram realizados importantes avanços no sentido de reverter a carência de dados sobre os indígenas nas estatísticas nacionais de diversos países latino-americanos. Esse é o caso dos censos decenais conduzidos pelo IBGE no Brasil. Assim, no Censo de 1991 foi incluída a categoria "indígena" como mais uma opção de resposta para a pergunta sobre a "cor/raça" presente no questionário da amostra, o que se repetiu em 2000. Para o Censo de 2010, o quesito da "cor/raça", que até 2000 era investigado apenas no questionário da amostra, passou a ser pesquisado também no questionário básico, significando que essa questão foi levantada para toda população recenseada. Mais que isso, no último censo, se a pessoa se declarava "indígena", foram feitas perguntas adicionais sobre pertencimento étnico e línguas faladas.

Este projeto editorial faz parte das atividades do Grupo de Trabalho de “Demografia dos Povos Indígenas” da Associação Brasileira de Estudos de População (ABEP) no triênio 2015-2016 (ver http://www.abep.org.br/?q=gt/internas/ementa-1) e visa reunir contribuições de participantes do GT e da comunidade acadêmica em geral. Com foco tanto em investigações realizadas em comunidades indígenas específicas, como a partir de bases secundárias (incluindo as censitárias e aos sistemas nacionais de informação), o intuito é aprofundar e sistematizar o conhecimento e as reflexões sobre dinâmica demográfica dos povos indígenas. Há particular interesse em desenvolver diálogos entre as experiências de coleta e análise de dados demográficos sobre indígenas no Brasil e aquelas presentes em outras regiões do mundo, com destaque para a América Latina.

Pretende-se que o fascículo temático inclua contribuições sobre os mais diversos aspectos da demografia indígena, tais como: análises sobre a demografia histórica da população indígena; investigações comparativas de dados demográficos gerados a partir de estudos de comunidades com aqueles oriundos de pesquisas nacionais, como os censos demográficos; aspectos populacionais das territorialidades indígenas, tanto em contextos rurais como urbanos; análises voltadas para aprofundar os conhecimentos sobre categorias de recorte antropológico recentemente incluídas nos censos demográficos latino-americanos, incluindo o brasileiro, e específicas para os indígenas, como pertencimento étnico e línguas faladas nos domicílios; análises comparativas da demografia da população indígena no Brasil  com aquela de outros países, em particular da América Latina; investigações sobre os padrões de desigualdade das condições de saúde de indígenas e não-indígenas, incluindo o processo de transição epidemiológica, marcado por forte crescimento na morbi-mortalidade por doenças crônicas não-transmissíveis; implicações das informações de população no planejamento, implementação e análise dos impactos das políticas públicas (saúde, educação, território, ambiente, entre outras).

Os artigos deverão ser encaminhados para a revista no processo de submissão normal a partir de 10 de julho até o dia 30 de outubro de 2015. Todas as submissões passarão pelo mesmo processo de avaliação submetidos à Revista (duplo-cega) e aprovação final pelo Comitê Editorial, no formato de fluxo contínuo, o qual continua vigorando para a publicação dos números regulares da Revista. A previsão é que este número seja lançado por ocasião do XX Encontro Nacional de Estudos Populacionais, a se realizar em Foz do Iguaçu no segundo semestre de 2016. Para identificação do número temático, em sua submissão, acrescente a informação "Submissão para número temático: Demografia dos Povos Indígenas".

 

Comitê Editorial da Rebep e GT Demografia dos Povos Indígenas

Please publish modules in offcanvas position.