Guaraci Adeodato

A ABEP tem o triste dever de anunciar a morte de uma de suas mais ilustres e antigas sócias – Guaraci Adeodato Alves de Souza, - Guara, para os que a conheceram - ocorrido hoje, dia 9 de dezembro. O velório acontece a partir das 16 horas e a cremação será, amanhã, às 10 horas, no Jardim da Saudade, em Salvador.

Graduada em Serviço Social, em 1965, a aproximação de Guaraci da Demografia começou logo a seguir, no curso de especialização Formation en Développement que realizou no Institut international de Recherche et de Formation en vue du Développement Harmonisé (IRFED) em Paris em 1967 -1968.  De volta ao Brasil, em 1969, cursou a Especialização em Dinâmica Populacional, oferecida na Faculdade de Higiene e Saúde Pública da Universidade de São Paulo - primeiro embrião paulista na formação de demógrafos brasileiros - e, em seguida, cursou a especialização em Demografia oferecida pelo Centro Latino-americano de População na PUC-Rio. Seu Mestrado em Economia, em 1976, com a dissertação “Migração e Subemprego em Salvador” já revela sua decidida opção pela Demografia, como área preferencial de estudos.

Teórica extremamente séria e ambiciosa, embora não canônica, seu doutorado: “Sucessão das Gerações na Bahia: Reencontro de uma Totalidade Esquecida”, sob a orientação de Maria Coleta Oliveira é um repto teórico extremamente complexo, parte de sua preocupação fundamental com a “busca de uma formulação teórica sobre a reprodução demográfica que desse conta, de uma maneira adequada, das interpretação desse processo enquanto processo social e histórico, tanto nos seus movimentos sincrônicos, quanto diacrônicos [e que] no plano empírico, [preocupa-se,] sobretudo,[ em] reconstruir as experiências históricas de mudança na fecundidade e nos padrões de procriação, associadas a alterações estruturais em outras dimensões da sucessão das gerações.” Pelo menos um de seus trabalhos desta perspectiva foi publicado na REBEP.

Por sua preocupação teórico-política e por sua responsabilidade social, Guaraci teve enorme e importante participação no desenvolvimento da Demografia no Brasil.  De diferentes formas, participou da ABEP em distintas situações: como membro da Diretoria,  foi 2º Presidente entre 1985 e 1986; foi membro do Conselho Consultivo  na gestão 2001-2002, e ainda participou da Comissão Avaliadora de Posters em 2008.  Mas seu maior trabalho foi a constituição da área de Demografia na Bahia, por uma série de ações extremamente positivas.

Em primeiro lugar, é importante ressaltar que, graças a seus esforços, foi possível a inclusão da Demografia como disciplina no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFBa, tendo-a como docente responsável.

Em segundo lugar, cabe enfatizar a introdução do questionamento demográfico como linha de pesquisa do CRH - Centro de Recursos Humanos – e, mais ainda, a constituição, neste centro, do Laboratório de Análises Sociodemográficas do qual foi coordenadora até recentemente. O laboratório funcionou também como posição estratégica para que Guara pudesse realizar diversas atividades de extensão, como cursos, seminários e reuniões, para os quais contou com o apoio da ABEP, do CEDEPLAR e do NEPO.  Todas estas inovações tornaram-se o núcleo de desenvolvimento de uma área de estudos de Demografia na Bahia, até então inexistente.

Mas suas atividades não eram puramente acadêmicas. Polemista por natureza e por tradição familiar, Guara, antineomalthusiana ferrenha, celebrizou-se por suas discussões na imprensa, falada e escrita, com o médico baiano Elsimar Coutinho. Nestes debates, defendia o princípio da liberdade do casal no planejamento familiar, do direito ao desejo pelos filhos e pela quantidade deles, e do planejamento subordinado a este desejo e não a influências outras, tais como o Estado ou grupos sociais.  Ao mesmo tempo, questionava os impactos macroestruturais de uma queda orquestrada da fecundidade que não levasse em conta a realidade do país assim como o desejo dos casais e das pessoas.

Com um feeling político extremamente aguçado, Guara ainda brigava pela Demografia em outro front: o das políticas públicas. E foi essa a razão de sua colaboração intensa com a SEI-SEPLAN do Estado da Bahia, onde atuavam e atuam vários de seus ex-alunos, que ocasionou a produção de uma série de análises sobre as mudanças sociodemográficas recentes, na Bahia e em distintas Regiões Econômicas da Bahia, inclusive nos seus diferentes municípios. Esta parceria produziu uma série de livros e deixou, como sub-produtos, bancos de dados com informações demográficas básicas, indispensáveis ao planejamento.

Enfim, resumindo, Guaraci Adeodato Alves de Souza foi uma das pioneiras que tornou possível a constituição da Demografia como área disciplinar em nosso país. Apaixonada, irreverente, engraçada, bem humorada, séria, polêmica, extremamente responsável, politicamente engajada, “porreta”, Guara não vai deixar apenas saudades. Vai deixar um imenso vazio tanto na ABEP quanto em nossos corações.

(Elisabete Dória Bilac - Vice-Presidente da ABEP – Gestão 2013-2014)

Dezembro 2014

Please publish modules in offcanvas position.